INCLUSÃO

Programa Somar auxilia no ensino de aplicabilidades sociais da matemática a jovens e adultos com deficiência intelectual. Iniciativa inédita tem sido utilizada em escolas de todo o país

Foto: Marcelo Jatobá/UnB Agência

 

OProjeto Participar lançou uma nova ferramenta tecnológica para auxiliar na inclusão de jovens e adultos com deficiência intelectual. O software Somar estimula o desenvolvimento de habilidades ligadas à matemática, fundamentais à realização de tarefas cotidianas como: pagar compras em supermercado, conferir o troco da passagem do ônibus e controlar horário de medicação.

 

Para isso, são trabalhadas lições sobre o uso de cédulas monetárias e de calculadora, leitura de relógio digital, entre outras. O programa é gratuito e está disponível na página eletrônica do projeto.

 

A novidade tem sido utilizada em escolas de todo o país. “Nós temos um relatório de download que aponta que todos os estados do Brasil já dispõem do Somar”, afirma o coordenador do projeto, Wilson Henrique Veneziano, que atua no Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília.

 

CRIAÇÃO - O software Somar foi desenvolvido para complementar o trabalho pedagógico de professores que não possuíam uma ferramenta específica para colaborar com o ensino de matemática social a estudantes com deficiência intelectual. A tecnologia foi construída a partir dos conteúdos do currículo funcional natural na abordagem ecológica para pessoas com deficiência, definido pelo Ministério da Educação (MEC).

 

Os programadores Lucas Santiago e Tales Moreira, à época estudantes da Licenciatura em Computação, ficaram responsáveis pela construção do software. Durante quase um ano, os dois alunos trabalharam sob a orientação do professor Wilson Veneziano.

Lucas Santiago e Tales Moreira. Foto: Marcelo Jatobá/UnB Agência

 

“Minha motivação sempre esteve em casa. A minha irmã tem Síndrome de Down e eu queria construir uma ferramenta para ajudar a ela e a outras pessoas que passam pelas mesmas dificuldades”, conta Lucas. Já Tales se aproximou do projeto pela possibilidade de trabalhar com a matemática. “Durante a graduação, eu dava aulas de matemática, então eu tinha a intenção de desenvolver um software que envolvesse essa área do conhecimento”, lembra.

 

Após o processo de programação, o software Somar foi testado em escolas da rede pública do Distrito Federal que atendem jovens e adultos com deficiência intelectual. A ferramenta foi validada por professores e alunos. “O desenvolvimento das habilidades funcionais trabalhadas no software e aplicadas na vida prática do deficiente intelectual possibilitou a utilização da matemática social como uma ferramenta pedagógica útil ao processo de inclusão”, aponta a coordenadora pedagógica do projeto, Maraísa Estevão Pereira.

 

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.