PLANOS E METAS

Até outubro, setores se reúnem em encontros temáticos. Documento final será apresentado publicamente em dezembro

 

Universidade adota metodologia desenvolvida internamente
Arte: Marcelo Jatobá/Secom UnB

 

"Este é um ano importante. Temos a oportunidade de guiar nossas ações da forma que consideramos importante e possível." Essa é a avaliação da servidora Kátia Maria da Silva sobre o Planejamento Institucional da UnB para o quinquênio 2018-2022. Ela está à frente dos trabalhos na Diretoria de Planejamento do Decanato de Planejamento, Orçamento e Avaliação Institucional (DPL/DPO) da UnB.

 

O Planejamento faz parte do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), que é obrigatório e deve ser apresentado ao Ministério da Educação (MEC) a cada 5 anos. No plano, há definições acerca de gestão, pedagogia e infraestrutura da instituição. O documento deverá ser apresentado na última reunião do Conselho de Administração (CAD) do ano, em dezembro.

 

Neste ano, por decisão do DPO, o processo de elaboração do Planejamento Institucional vem acontecendo por meio do próprio decanato, sem ação de consultoria externa, como era feito no passado. "O objetivo é que a própria instituição adquira capacidade e tenha condições de mudar o planejamento, para que seja uma ferramenta de gestão e não um documento pró-forma", explica a decana Denise Imbroisi.

 

Nas experiências anteriores, as reuniões se davam apenas com representantes centrais da administração superior da instituição. Assim, o documento final funcionava mais como uma carta de intenções, como aponta Kátia Silva. Segundo a servidora técnico-administrativa, o resultado era um planejamento fragilizado.

Equipe do DPL/DPO está desenvolvendo o Planejamento Institucional 2018-2022 da UnB. Foto: Divulgação

 

A equipe do DPL, formada por seis servidores técnico-administrativos, trabalha desde o final de 2016 para elaborar metodologia adequada do Planejamento para as especificidades da UnB. O sistema adotado foi subsidiado por experiências passadas e por pesquisas em outras universidades e órgãos públicos e privados.

 

“Agora, visamos a construção a partir de um processo participativo, com a metodologia presente em todas as fases do planejamento”, destaca a coordenadora de monitoramento do DPL, Rayanne de Souza. Além disso, ela ressalta como principal diferencial desta proposta a chance de monitorar a execução do Planejamento. Para isso, estão previstas revisões semestrais e anuais.

 

PASSO A PASSO A metodologia adotada para o Planejamento Institucional é composta por quatro etapas. A primeira, Preparação e Correquisitos, definiu as atividades de elaboração, de revisão e de aprovação de documentos norteadores do planejamento, além do projeto executivo. Na segunda, Definição das Diretrizes Institucionais, foram construídas a missão institucional, a visão de futuro, as diretrizes institucionais da UnB e o mapa estratégico.

 

A terceira, Construção dos Objetivos, Indicadores e Metas, é a que está em andamento. Foi iniciada em maio e tem previsão de encerramento em outubro. Nela, devem ser construídos os objetivos, indicadores e metas de 23 eixos temáticos. A última etapa do planejamento é a de Monitoramento e Avaliação, que inclui o registro dos objetivos, indicadores e metas coletados nas etapas anteriores por meio do sistema ForPDI, com o propósito de monitorar o alcance dos objetivos e dar continuidade ao processo de planejamento.

 

A proposta do DPL para a etapa em curso é promover o debate entre as áreas estruturais da Universidade, envolvidas com as finalidades essenciais da instituição – ensino, pesquisa e extensão – e a comunidade, com o objetivo de construir um planejamento de forma coletiva. O cronograma desta terceira etapa inclui reuniões prévias com representantes de setores, workshops temáticos e, por fim, workshops abertos, dos quais toda a comunidade pode participar para acompanhar o desenvolvimento dos objetivos. Depois disso, vem a fase de consolidação e entrega da proposta para consulta pública. Por fim, o PDI é submetido à aprovação no CAD.

 

PARTICIPAÇÃO E REALISMOAagenda das ações está no site do Planejamento Institucional, de modo a reforçar o caráter transparente e inclusivo. “A porta está aberta’, reforça a diretora do DPL, Kátia Silva. Até outubro haverá uma série de chamadas para a comunidade participar. “Queremos incluir mais os discentes. Precisamos ouvi-los. Temos a nossa percepção, mas precisamos ouvir a voz deles”, reforça a decana Denise Imbroisi.

 

O Planejamento Institucional dialoga diretamente com uma realidade da UnB: o corte de gastos. “Um planejamento bem executado demonstra nossas dificuldades e oportunidades. Precisamos de planejamento, inclusive, para superar a redução orçamentária e continuar cumprindo nosso compromisso social", diz Imbroisi. "Planejamento serve para isso, para tomada de decisões realizáveis. Colocar metas irrealizáveis deixa as pessoas frustradas”, avalia.

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.